sexta-feira, 27 de junho de 2014

Não que seja reciproco

A cada sorriso , percebo um vazio.
A cada olhar, percebo a distância.
A cada segundo vivo em um silêncio constante.
Esse que , derruba e destrói até não sobrar nada.

Vivo em um mar de fogo,
Esse que não queima nem afoga .
Vivo em um conflito interno com minha mente.
Vivo para morrer ou morro para viver.

Sem sentido vivo, vagueio.
Sem origem ou identidade.
Sem um ponto de partida ou chegada.

Morro de amores e vivo de medos,
medo este da solidão, talvez.
Tenho medo de ser esquecida ou talvez lembrada.
Mas por quem ? Todos vão morrer , se tornar pó.

Que não haja tanta dor, mas sim amor.
Que não haja espinhos, além de rosas.
Que não haja medo, além de ousadia.
Mas que isso não seja reciproco.

Anne Leão
15-06-2014