sexta-feira, 27 de junho de 2014

Um sonho

Tento transmitir uma alegria que a mim já não pertence,
se tento sorrir um buraco se abre em meu peito.

Vago sozinha por todos os lugares,
não tenho medo da escuridão, minha alma a ela já pertence,
 não pode ser um sonho.

Movida por um sentimento desconhecido,
em um silêncio insistente continuo a trilhar,
por um caminho sem rumo, sem fim. 
Não existe caprichos de onde vim ou para onde vou.

Em algum lugar, algum dia encontrarei segurança,
encontrarei o meu porto seguro.
desvendarei os mistérios que perturbam minha alma.
Me perco facilmente e desmancho-me em lagrimas.

Preciso ouvir uma voz nem que seja em sussurros,
para me livrar desta agonia ao menos um instante,  
deixe que invada meu corpo suavemente, 
assim, responderei sem medo e lutarei.
Lutarei contra as trevas de minha constante prisão.

Viverei momentos indescritíveis,
nem que seja por uma fração de segundos. 
Quero sorrir sem razão, perder o controle sem motivo,
quero entender o que é ser feliz ao menos uma vez.

Ao pronunciar uma palavra que seja,
perco os sentidos que ainda me restam, 
devo viver em um silêncio e mais nada. 

Veias em meu corpo transbordam em chamas,
essas que não me queimam, não me ferem,
mas alimentam meu desejo de ser livre cada vez mais. 

Anne Leão 
07-10-2013